domingo, 17 de fevereiro de 2013


Avaliação Nacional do Rendimento Escolar – Prova Brasil
A Avaliação Nacional do Rendimento Escolar (Anresc) também conhecida como Prova Brasil, é uma avaliação criada em 2005 pelo Ministério da Educação. É complementar ao Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e um dos componentes para o cálculo do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Ela é realizada a cada dois anos e participam todos os estudantes de escolas públicas urbanas do 5° e do 9º ano de turmas com mais de 20 alunos. A avaliação é dividida em duas provas:Língua Portuguesa, onde é medida a capacidade de leitura, interpretação de textos e de fixação da mensagem. E a Prova deMatemática onde é avaliado o raciocínio em contexto com a realidade do aluno.
Após a realização do exame, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão responsável pela sua aplicação, envia um boletim de desempenho individual e materiais com informações adicionais para todas as escolas participantes.
De acordo com a revista Nova Escola, a Prova Brasil é vista como uma caixa-preta:afinal, o queela avalia e como trabalhar essas competências em sala de aula?
Realizada a cada dois anos, ela avalia habilidades essenciais em Língua Portuguesa e Matemática.
Utiliza as Matrizes de Referência para a elaboração dos itens - tópicos e descritores - que dão "transparência e legitimidade ao processo de avaliação, informando aos interessados o que será avaliado". 
"...Item é a denominação adotada para as questões que compõem a prova."
"...As matrizes são, portanto, a referência para a elaboração dos itens da Prova Brasil"
"...De acordo com os pressupostos teóricos que norteiam os instrumentos de avaliação, a Matriz de Referência é o referencial curricular do que será avaliado em cada disciplina e série, informando as competências e habilidades esperadas dos alunos..."
"Essas matrizes têm por referência os Parâmetros Curriculares Nacionais e foram construídas a partir de uma consulta nacional aos currículos propostos pelas Secretarias Estaduais de Educação e por algumas redes municipais..."
Habilidade e Competência são amigas inseparáveis e são mencionadas no mesmo documento: 
-Habilidade: plano objetivo e prático do saber fazer. São as capacidades para realizar ações.
-Competência - “capacidade de agir eficazmente em um determinado tipo de situação, apoiando-se em conhecimentos, mas sem se limitar a eles”. Perrenoud. Ou seja, capacidade de mobilizar conhecimento, valores e decisões para agir em determinada situação.
- Pense...
- Onde quer que o aluno chegue? O que ele deve ser capaz de fazer?
- O aluno precisa possuir habilidade para dominar determinado assunto a fim de adquirir competência.
Viu? Habilidade e Competência estão sempre juntas!

 7 ações para aproveitar bem a Prova Brasil

Como organizar a aplicação do exame, orientar alunos e professores e usar os resultados a favor da aprendizagem

1 Conhecer o exame em detalhes

O diretor escolar precisa se informar sobre a prova, seus objetivos e suas características. No MEC. Outra boa fonte de informação é o site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). "É preciso analisar ainda o histórico da própria escola, avaliar a evolução dos resultados e até mesmo observar os dados obtidos por outras instituições da cidade ou região.




2 Cumprir todos os procedimentos formais

Informar os dados de sua unidade ao Censo Escolar. Com base nessas informações, o Inep imprime a quantidade necessária de provas e de questionários socioeconômicos, também preenchidos na data do exame. "Por vezes, o instituto entra em contato com algumas escolas para fazer uma checagem de informações. Gestores devem ter fácil acesso aos dados atualizados de suas turmas".
A distribuição dos exames é feita pelos correios, em articulação com uma empresa aplicadora, escolhida pelo Inep. "A avaliação é confidencial. Os malotes só podem ser abertos pelo aplicador no momento da avaliação. Os alunos não podem levar a prova embora e a equipe escolar não tem permissão para manuseá-la ou copiá-la".

3 Informar os alunos e a comunidade

Os estudantes devem conhecer a importância de todas as avaliações como forma de melhorar as condições para que eles aprendam. Na época da Prova Brasil, essa valorização pode ser reforçada. "Por vezes, as turmas pensam que o exame não vale nada e que ninguém verá os resultados. É preciso comunicar os objetivos da avaliação e orientá-las a responder às questões com seriedade".
Para evitar faltas, vale falar com os pais, socializar os resultados anteriores, contar o que é o Ideb e qual é a evolução esperada para a escola e dizer que o objetivo do governo é usar o indicador para organizar as políticas públicas.



4 Orientar a equipe docente e os seus funcionários

Os professores devem estar a par de todas as ações anteriores. Ou seja, é preciso compartilhar as informações sobre a avaliação e as condutas necessárias. "Uma sugestão para os gestores é imprimir os documentos, as matrizes e os modelos, mostrá-los à equipe e tirar as dúvidas". Um assunto importante a ser acordado coletivamente é justamente a postura de não treinar os alunos para o exame - todos os professores devem estar cientes de que o resultado da avaliação é reflexo do que os alunos sabem, de fato, sobre os conteúdos, as habilidades e as competências esperados a cada etapa.
Outra orientação é a respeito dos questionários socioeconômicos: diretores e professores de Língua Portuguesa e Matemática recebem os formulários e precisam preenchê-los enquanto os alunos fazem a prova e entregá-los ao aplicador.
5 Assegurar a participação dos alunos de inclusão

Todos os estudantes das séries indicadas, sem exceção, devem participar da avaliação, inclusive os que têm algum tipo de necessidade especial. Para tanto, cabe ao diretor analisar, caso a caso, os seguintes aspectos: os alunos de inclusão têm condições de permanecer em sala de aula durante a prova? A escola tem um leitor que possa auxiliar os alunos com deficiência visual a realizar o exame em sala reservada, mantendo o sigilo necessário? Há um intérprete de libras disponível para traduzir apenas as orientações gerais a respeito do preenchimento da prova e do questionário socioeconômico aos estudantes com deficiência auditiva? Se um dos alunos não puder fazer o exame, se ele se recusar a respondê-lo ou se desistir de realizá-lo, o professor deve consultar a direção da escola para que esse estudante seja encaminhado a outra atividade.
6 Garantir as condições para a realização da prova

Enquanto o aplicador passa o exame para as turmas que realizam a Prova Brasil, as demais têm aulas normalmente. A duração é de duas horas e meia, período em que os alunos respondem aos exercícios e ao questionário socioeconômico. Os horários de merenda devem ser ajustados para não haver interrupção. Também é importante zelar pela tranquilidade do entorno das salas de aula.
Além de fornecer orientações e tomar conta da turma, o aplicador coleta dados sobre a infra- estrutura e o clima institucional da escola. Ao fim da prova, ele lacra os materiais em um malote inviolável e o diretor assina o Formulário de Controle da Aplicação, atestando que os procedimentos foram seguidos corretamente.

7 Saber como analisar os resultados

Vale fazer uma comparação com os resultados anteriores, avaliar a evolução das notas e sempre realizar uma análise conjunta com os exames internos, para a partir daí, saber onde deve ser corrigido para a próxima Prova Brasil. E tudo deve ser divulgado à comunidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário